Portal do Governo Brasileiro

Projeto Integrador II

Carga Horária 60h

Ementa          

Elaboração de um projeto acompanhado de relatório final e apresentação, que considere as características de aplicações industriais automatizadas visando o uso de Controlador Lógico Programável gerenciado por um Sistema Supervisório.

Justificativa do Componente Curricular

A componente curricular, através da elaboração e execução de projetos na área de automação industrial, permite que o aluno aplique de forma prática o conhecimento adquirido nas demais componentes curriculares cursadas, auxiliando-o na formação interdisciplinar. A habilidade de trabalho em grupo e a capacidade de liderança também são desenvolvidas nesta disciplina.

Objetivo Geral

O projeto integrador tem o objetivo de reforçar o aprendizado teórico e prático que o estudante obteve no decorrer do curso através da idealização de um projeto e posterior execução e apresentação do mesmo, que envolva inclusive as componentes curriculares do módulo atual.

Objetivos Específicos

  • Integrar o conteúdo das componentes curriculares do semestre, e semestres passados.
  • Capacitar o aluno a desenvolver projetos e soluções para problemas.
  • Aperfeiçoar a capacidade do aluno de executar projetos.
  • Incentivar o trabalho em grupo.
  • Desenvolver habilidades de apresentação em público.
  • Incentivar a busca por inovações tecnológicas para o desenvolvimento do projeto.

Conteúdo Programático:

  • Apresentação do plano de ensino; Distribuição das equipes; Discussão dos projetos; 4 Aulas
  • Definição dos temas dos projetos; Cronograma e estudo de viabilidade; 4 Aulas
  • Elaboração do pré-projeto; 8 Aulas
  • Entrega do pré-projeto (N1); Apresentação do pré-projeto (N2); 4 Aulas
  • Execução do projeto; 32 Aulas
  • Execução do projeto; Elaboração do relatório do projeto; 8 Aulas
  • Execução do projeto; Elaboração do relatório do projeto; Recuperação e conteúdo; 4 Aulas
  • Apresentação do projeto (N3); entrega do relatório do projeto (N4); Avaliação individual da execução do projeto (N5); 4 Aulas
  • Avaliação de Recuperação de Notas E desmonte do projeto. 4 Aulas

Procedimentos Metodológicos

A disciplina será conduzida de forma expositiva, orientando os alunos na proposição e execução dos projetos. Serão feitas abordagens nos grupos de trabalho para sanar eventuais dúvidas e instigar os alunos a propor soluções às dificuldades/problemas encontrados com base nos conhecimentos técnicos adquiridos. Serão disponibilizados materiais e equipamentos contidos nos laboratórios do curso para a execução dos projetos. Os grupos deverão desenvolver documentos com a proposta do projeto, cronograma de trabalho e lista de materiais. Além disso, caberá a emissão de um relatório final do projeto e sua apresentação oral.

Procedimentos de Avaliação

A nota final será composta de (05) avaliações. As avaliações serão feitas sobre o pré-projeto (N1) e sua apresentação (N2). Após a conclusão do projeto será avaliada a apresentação do projeto (N3), o relatório do projeto (N4) e a avaliação individual da execução do projeto (N5). A média final (Mf) será composta pela média de todas as avaliações aplicadas ao longo da disciplina conforme a seguir:

Nf = N1 x 0,2 +N2 x 0,2 +N3 x 0,2 +N4 x 0,2 +N5 x 0,2.

– Recuperação paralela

É garantido ao aluno atividades de recuperação de estudos, nos componentes curriculares em que não atingir rendimento suficiente no decorrer do período letivo. Considera-se aqui, rendimento insuficiente, nota abaixo de 7,0 (sete vírgula zero) mensurada através de instrumentos avaliativos.

A recuperação de estudos encontra amparo legal no art. 24, inciso V, alínea e, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9.394/96: “Obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus regimentos.”

Com efeito, a recuperação visa o aperfeiçoamento da aprendizagem e não apenas do alcance da média, ou seja, a prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos, consoante dita o art. 24 da LDB 9.394/96, inciso V, alínea a, ao tratar dos critérios a serem observados na verificação do rendimento escolar: “avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais.”

A recuperação de conteúdos, bem como a recuperação de avaliação (nota) são obrigatórias. A recuperação de conteúdos deverá ser realizada ao longo do ano letivo de forma paralela para todos os estudantes que apresentarem fragilidades de aprendizagem.

A metodologia de recuperação de notas empregada pelo campus deverá respeitar a Resolução 084/2014 do CONSUPER/IFC. Assim, a frequência das reavaliações deverá ser única, ao final do trimestre.

– Exame Final – Art. 70 e Art. 71 da RESOLUÇÃO Nº 084 – CONSUPER/2014

Considerar-se-á aprovado para o ano seguinte o estudante que tiver frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) considerando a carga horária total do curso e alcançar Média Anual igual ou superior a 7,0 (sete vírgula zero) em cada componente curricular. A Média Anual (MA) será a média das notas finais de cada trimestre.

O estudante que atingir Média Anual (MA) inferior a 7,0 (sete vírgula zero) terá direito à recuperação de nota (Exame Final). A recuperação de notas (Exame Final) é uma avaliação composta por todo o conteúdo ministrado no ano de cada componente curricular, que tenha sido devidamente recuperado em termos de aprendizagem, e tem por objetivo recuperar as notas dos estudantes que não obtiveram aproveitamento igual ou superior a 7,0 (sete vírgula zero) em cada componente curricular.

O aluno em exame será aprovado no componente curricular, quando a Média Final (MF) for igual ou superior a 5,0 (cinco vírgula zero), calculada da seguinte forma:

MF = NE x 0,4 + MA x 0,6, sendo

MF = MÉDIA FINAL,

NE = NOTA EXAME,

MA = MÉDIA ANUAL.

Para o cálculo da média final (MF), leva-se em consideração que a avaliação do desempenho do estudante deve ser contínua e cumulativa, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre as eventuais provas finais.

As recuperações de notas (Exames Finais), arquivadas na Coordenação de Registros Acadêmicos, só podem ser revisadas através de solicitação do estudante, em formulário próprio.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

  • ALVES, José L. L. Instrumentação, Controle e Automação de Processos. 2a ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.
  • MAMEDE FILHO, João. Instalações Elétricas Industriais. 7 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.
  • OGATA, Katsuhiko. Engenharia de Controle Moderno. 4. ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2003.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

  • KOSOW, Irving L. Máquinas elétricas e transformadores. 15. ed. São Paulo: Globo, 2005.
  • SOUSA, Daniel Rodrigues de; SOUZA, David José de. Desbravando o microcontrolador PIC 18: ensino didático. 1. ed. São Paulo: Érica, 2012.
  • FOGLIATTO, Flávio Sanson; RIBEIRO, José Luis Duarte. Confiabilidade e manutenção industrial. Rio de Janeiro: Campus, 2009.
  • AGUIRRE, Luis Antonio. Fundamentos de Instrumentação. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.
  • FRANCHI, Claiton Moro. Controladores lógicos programáveis: sistemas discretos. 2. ed.