Portal do Governo Brasileiro


Resultado da Votação: Independência

Em nossa primeira rodada contamos com cinco bons desafiantes e oito votantes. E os votos foram:
– As Duas Leis: 3 votos;
– Independência ou morte! Morte?: 3 votos;
– À Crase: 1 voto;
– Qual independência?: 1 voto.

Ficam empatados “As Duas Leis” e “Independência ou morte! Morte?”. Como o primeiro critério de desempate é o voto dos desafiantes, conforme o item 7) 1. do regulamento, temos os votos nos empatados:
– As Duas Leis: 1 voto – Fidélis;
– Independência ou morte! Morte?: 2 votos – de Rós e Alves.

Assim, “por pontos”, leva a primeira rodada do Desafio Escrito o duelista Carlos Raphael Rocha.

Parabéns aos participantes pela qualidade dos textos apresentados, e, em especial, ao Carlos, que tem direito ao primeiro tema escolhido pelos duelistas.



Votação: Independência

Ao fim da rodada de estreia, chegamos à estreia da votação. Qualquer leitor pode votar. Sugere-se que o votante leia os textos de todos os desafiantes e clique no título deste post de votação (ou clique aqui) para votar, via comentário.

Votação

No comentário, sugere-se também que comente sobre os textos, se for possível ou pertinente, e que então apresente declaradamente seu voto. Lembre que autor não pode votar no próprio texto. A votação vai até o dia 15, quando o autor do texto mais votado deverá enviar, por e-mail, o tema da próxima rodada.

 

Lembre-se: vote de forma independente!

| Independência Primeira Rodada Votação


À Crase

Autor: Antônio João Fidélis

Um amigo meu é como a crase: se tem feminino no ambiente, ele precede. Quando aparece uma mulher onde ele se encontra, tenha certeza que o primeiro “não”, e às vezes “sim”, é pra ele. Fissurado, viciado, dependente, compenetrado… Mulher está na mira dele. Os amigos, e esses sim são AMIGOS de verdade, brincam dizendo que se arrependem de ter-lhe apresentado a esposa/noiva/namorada, pois ele fica secando-as até que fiquem mais seca que o Sol. Não, não é “no Sol”, é como “o Sol” mesmo. A minha noiva, à época, chegou a emagrecer uns quatro quilos quando foi apresentada a ele. E voltando à devida oração, são amigos de verdade porque não é qualquer um que aceitar ter um amigo assim.

Dias atrás, quando saí para tomar um café da tarde com esse amigo, estava passando os olhos pelo ambiente quando subitamente me vi preso ao noticiário, daqueles que o jornalista fala e tem duas linhas no pé da tela, uma fixa resumindo a fala do âncora e outra móvel com o resumo dos resumos das notícias. Havia uma crase lá. Ela estava no lugar adequado. Foi um momento de êxtase. Não sou viciado em crases como meu amigo é viciado em fitar mulheres, mas um português bem escrito rouba meu coração. Da notícia, do canal, do assunto, nada, não lembro de absolutamente nada. Mas aquela crase. Que crase! Dei um sorriso de soslaio, mas ninguém viu. Obviamente meu amigo também não viu. Havia mulheres na cafeteria.

Um transeunte qualquer deveria saber empregar a crase corretamente. Mesmo que nossa língua, e consequentemente a escrita, seja um bem político e não cultural, visto que é regida por decreto, e não por uso, prego que deveríamos saber bem aplicá-la. Quantas rúbricas são pedidas por dia no Brasil? E isso que elas nem existem. Imagine se existissem. E me atendo ao tema, quantos acentos graves, diferentemente do meu amigo, precedem os masculinos, excetuando aquele. Poderia ter colocado aspas na última palavra da oração anterior, mas assim fica mais legal. E quantos acentos grave são abandonados, esquecidos e ignorados nos escritos diários de nossa nação! São mais ignorados que a resistência do ar em problemas de física, e tudo acaba em parábolas, como os de Jesus.

E a pronúncia? Isso sim! Ouvir um “à” pronunciado corretamente, “a-á”, isso me tira do sério. Aí fico como meu amigo com as mulheres. É uma caudalosa degustação auditiva. Tudo para ao meu redor. O instante em que a vibração do ar adentra ao pavilhão auditivo, tocando o tímpano e a consequente transmissão nervosa ao cérebro é acompanhada de forma concomitante por um arrepio de frio que vem do fundo da alma e chega ao cérebro passando pela espinha dorsal, atiçando um desejo libidinoso de ouvir novamente aquela palavra. Chega a ser obsceno, mas é sincero.

Mas, como diria João Simões Lopes Neto, minto. Minto, porque é tudo mentira. Não existe amigo sequelado pelas mulheres. Não existe noiva. Não existe cafeteria. Era uma padaria. O noticiário com a crase sim, este momento existiu. E na padaria. Infelizmente nossa língua é regida por deputados e não por lexicógrafos ou gramáticos. A sinestesia existe, e você provou dela. Se gostou eu não sei, mas experimentou. E a independência? Outra mentira! Nem tanto. Resolvi declarar minha própria independência e escrever sobre um tema independente. Ou nem tanto assim.

| Independência Primeira Rodada


Independência ou morte! Morte?

Autor: Carlos Raphael Rocha

Gabriel saiu da aula de história e não conseguiu tirar a famosa frase de sua cabeça.
Às margens do rio Ipiranga, Dom Pedro II soltou seu famoso bramido: “INDEPENDÊNCIA OU MORTE”. Todos nós sabemos qual foi o resultado. Temos um país livre desde 1822. Não somos mais uma colônia portuguesa desde então.
O que incomodava Gabriel, no entanto, não era o ato em si, mas o que teria acontecido se a primeira solução não fosse acatada. E se a morte fosse a opção escolhida? Morte de quem? De quantas pessoas?
Na hora do almoço, mal mexeu em sua comida. Não conseguiu se concentrar nas tarefas de casa que os professores haviam passado. Foi para a Internet e nem sabia o que pesquisar. Em seu videogame, fez suas piores pontuações. Sua cabeça só pensava em uma coisa: MORTE!
Que impacto essa aula de história faria na cabeça dessa criança de 11 anos? O próprio Gabriel se fez esta pergunta. Logicamente, procurou respostas em todos os lugares e, com muito esforço, conseguiu ânimo para sair de casa e seguir com sua vida.
Foi para a rua, deitou-se no chão da praça e ficou olhando para o céu. A calmaria do céu azul o fez relaxar e ele imaginou cenários que poderiam ter ocorrido caso a opção de “morte” tivesse sido escolhida no lugar de “independência”. Teria sido melhor?
Hoje, ele está livre. Livre de quê? Ele quem? Gabriel ou o país?

| Independência Primeira Rodada


As Duas Leis

Autor: Luís Eduardo Araújo de Souza

Então, o homem nu virou-se e olhou no interior da alma de cada homem e mulher presentes no salão, inclusive na minha, com sua voz autoritária e impactante, ele rugiu:
– Bendita seja a independência que agora arde no coração infortúnio dos homens, pois hoje ela, junta ao amor, são as únicas e verdadeiras leis!
– Bendita seja a independência! Bendito seja o amor! – Gritaram todos que observavam o discurso daquele grande homem, e eu apenas os observava fascinado, o que era aquilo?
O homem pediu para que o deixassem continuar, e assim foi feito.
– Lembrai-vos que sem a independência somos tão fortes quanto um bebê longe do amparo materno, mas agora, a luz, ó bendita luz da independência, vive em nossos peitos, as perdas do passado sombrio já não existem em nossas mentes e nossos filhos viverão felizes e livres num mundo onde a liberdade é a principal mentora, onde todos poderemos fazer o que bem entender, mas lembrem-se irmãos, não façam como nossos pais e avós fizeram, façam diferente! Nenhum homem nasce sabendo odiar, pregai-vos o amor! Pregai-vos a liberdade de serem felizes! Digam às suas crianças que o mundo é bom e que a vida não precisa ser difícil, contem vossos passados e os alertem para que não odeiem, pois o ódio é como uma grande bola de neve que desce uma grande montanha, e vocês, e eu, sabemos disso, sabemos muito bem o que aconteceu, e queremos que isso não se repita.
O público chorava lágrimas de emoção por tão belo discurso, e parecia que, mesmo eu não entendo nada, eu compartilhava esse sentimento com eles, eu sabia o que estavam sentindo.
– Não chorem meus irmãos! – Continuou o homem, com um sorriso doce nos lábios. – Não há motivo para chorarem! O que teremos para hoje, para amanhã e para todo sempre é a alegria, a liberdade, e a independência! Não somos mais dependentes de nossas futilidades humanas, não somos mais dependentes de leis! Nossa lei é a liberdade e o amor! Nossa lei é a vida! Agora irmãos, me sigam, preciso mostrar algo para vocês!
Caminhamos lentamente, nus como o grande homem, nus, e ninguém se importava com isso, era tão natural quanto o amor.
Quando finalmente chegamos no local, meus olhos se abriram, acordei no mundo real, chovia, olhei pela janela e vi as luzes de neon nas ruas, era três e quarenta e quatro, e tudo aquilo, foi apenas um sonho. Apenas um bom sonho.

| Independência Primeira Rodada


Qual independência?

Autor: Gabriel  De Rós

“Independência ou morte”, às margens do rio Ipiranga há 193 anos, o representante da grande metrópole europeia da época que nos controlava se revolta contra sua família, contra sua pátria e resolve fundar uma nova nação, uma nação livre, independente, uma nação que pode tomar suas próprias decisões e pô-las em prática sem depender de um reino que apenas sugava as riquezas da pátria amada, o que ocorreu, mas não totalmente .Hoje no mundo observamos que nada é independente, talvez apenas de alguma coisa, mas o mundo é pequeno para um distanciamento completo.
Podemos observar o exemplo da economia atual; a China resolveu desvalorizar sua moeda vigente, o que provocou problemas em todo o mundo, queda do valor de algumas moedas, problemas em bolsas de valores, e outros.
A Grécia que ao não poder pagar suas dívidas; quase causou problemas que afetariam o mundo inteiro. A hipótese que circulava em alguns meios de comunicação era a de que talvez a Alemanha poderia abandonar a União Europeia, isso causaria um enorme problema, pois a Alemanha é responsável por uma parte significativa do PIB da União Europeia, sem ela alguns países do euro grupo quebrariam, assim consumiriam menos e empresas faliriam em todo o mundo pois não haveria mercado para compra de seus produtos, ou se a U.E. de desintegrasse, quantos problemas econômicos surgiriam?
O que pôde ser observado também durante a Guerra Fria, um exemplo não muito atual, mas que hoje ainda ocorre, a influência das grandes potências financeiras que exercem a hegemonia sobre as nações mais fracas que não veem opção exceto se unirem com estes países.
Também dependemos do meio onde vivemos, o planeta, o espaço. Qualquer um de nós e qualquer país, dependerá da natureza, pois a qualquer instante pode ser simplesmente destruído por uma simples movimentação de uma placa tectônica.
Assim podemos concluir que não existem países totalmente independentes, todas as nações dependem umas das outras para continuar existindo, nós dependemos uns dos outros para sobrevivermos.

| Independência Primeira Rodada


Rebelde
Autor: L.S. Alves
CENA APARTAMENTO INT/DIA
Apartamento bagunçado e com poucas coisas. Algumas roupas jogadas, uma garrafa de bebida, dois copos sujos e sapatos num canto. No meio do quarto um colchão no qual estão deitadas a HERDEIRA e a NAMORADA trocando carícias.
(Som de campainha)
HERDEIRA
Que saco! Atende lá a porta.
NAMORADA
Visita a essa hora! É foda.
A namorada abre uma fresta na porta e espia.
NAMORADA
Você?
MÃE
Esse não é o apartamento da Cláudia?
NAMORADA
Cláudia é pra você.
Cláudia se levanta, dá uma arrumada na roupa e passa a mão no cabelo. Caminha até a porta. Espia.
HERDEIRA
Entra.
MÃE
Bom dia pra você também.
HERDEIRA
O que tu quer?
MÃE
Nada. Só vim ver como você está. Fiquei curiosa sobre a sua nova casa.
HERDEIRA
Ok. Fica à vontade. Aqui é o quarto/sala/cozinha e ali é banheiro. Obrigado pela visita.
MÃE
Então você deixou a nossa casa pra vim morar, nisso?
A namorada termina de se arrumar vai até a herdeira dá-lhe um beijo, se despede da outra mulher e sai.
HERDEIRA
Não precisava falar assim na frente dela.
MÃE
Desde quando eu tenho obrigações com a sua… “amiga”.
HERDEIRA
Desde que você está na minha casa. Minha casa, minhas regras. Por isso que eu saí de lá. Você me sufoca.
MÃE
Agora te educar como uma pessoa normal é sufocar.
HERDEIRA
Normal! Normal o que mãe? Tu vive chapada de calmante pra não ter que encarar essa tua vida de bosta.
MÃE
São ordens médicas e agora vejo que o doutor tem razão só com remédios mesmo pra aguentar assistir minha filha se transformar numa perdida. Perdida e degenerada também.
HERDEIRA
Ó, que saber, vai à merda! O que tu veio fazer aqui na minha casa fora ser grossa com a minha namorada e ficar me xingando?
MÃE
Filha… Eu vim te dar a chance de voltar. Engoli meu orgulho. Eu vim para te levar pra casa.
HERDEIRA
O quê?
MÃE
Isso. Volta comigo teu quarto está do mesmo jeito que você deixou. É só largar essa….largar a….
HERDEIRA
O que mãe? Largar a minha namorada? Largar a minha liberdade? Aqui eu faço o que quero e não dependo de ninguém. Não tenho mais que seguir o que você acha que é certo pra mim. Chega.
MÃE
Filha pensa bem. Isso não é lugar pra você.
HERDEIRA
Se é ou não é quem decide isso sou eu e agora pode ir pra casa. Se era isso o que você tinha pra tratar comigo eu acho que já foi mais do que o suficiente. Já me ofendeu, ofendeu minha namorada, esculachou minha casa deu né.
Ela põe a mãe pra fora, fecha a porta e vai até a bolsa pegar um cigarro.
(Som de campainha)
Ela volta e abre a porta.
VIDAL
Já falei que não quero baixaria no prédio. Quer fazer barraco vai fazer na rua. Aqui tem gente que trabalha a noite e precisa dormir.
HERDEIRA
Seu Vidal foi só hoje . Isso não vai acontecer de novo. Pode ter certeza.
VIDAL
Não quero mais me incomodar contigo.
HERDEIRA
Não vai seu Vidal.
Ela começa a voltar pro apartamento. Antes de fechar a porta.
VIDAL
E o aluguel? Vai pagar quando?
HERDEIRA
O seu Vidal! To correndo atrás. To batalhando. Eu vou pagar tudinho pro senhor.
VIDAL
Você tem até sexta! Ou senão ponho você e suas tralhas na rua. Até sexta! Senão rua.
CENA ESCRITÓRIO INT/DIA
(campainha de telefone)
PAI
JP empreendimentos, Carlos bom dia!
HERDEIRA
(Não ouvimos sua voz)
PAI
Oi filha tudo bem?
HERDEIRA
(Não ouvimos sua voz)
PAI
Fica tranquila, hoje mesmo eu deposito um dinheiro na sua conta.
fade out
(FIM)
| Independência Primeira Rodada


Primeira Rodada

Sejam muito bem-vindos ao Desafio Escrito.

Começamos com a primeira rodada por conta própria. Não que dependamos de alguém para aqui desenvolver nossas atividades, mas já que trata-se de um período com feriado, usá-lo-emos como tema da rodada. Assim, o primeiro tema é

INDEPENDÊNCIA.

Há 193 anos era declarada a independência de nossa Pátria; dizem que a crise de uma nação distante afeta nossa economia; o juiz ou auditor não pode ter relação ou preferências sobre o avaliado; a maioridade nos permite responder sobre o que antes não éramos responsáveis. Até o determinante wronskiano está relacionado nesta dependência, que não é linear ;P

Sintam-se desafiados e enviem seu texto, com título e autor, para o e-mail desafioescrito@luzerna.ifc.edu.br até o dia 10 de setembro.

E lembrem-se: comentários são sempre bem-vindos. Clique no título do post e deixe seu comentário.

| Primeira Rodada


Início das Rodadas

A primeira rodada do Desafio Escrito começa no dia 1 de setembro. Os interessados tem desta data até o dia 10 de setembro para enviar seu texto, com título e autor, para o e-mail desafioescrito@luzerna.ifc.edu.br.

Do dia 11 ao dia 15 é o período de votação. Os textos serão votados nos comentários do post de votação. O texto mais votado escolhe o tema da próxima rodada.

| Primeira Rodada


Desafio Escrito

Este projeto está sendo desenvolvido com os objetivos de:

  • promover o hábito e a melhora da escrita;
  • estimular a criação de obras literárias;
  • incentivar o hábito e o gosto pela leitura;
  • desenvolver a criatividade na produção textual;
  • integrar IFC e comunidade;
  • oferecer aos interessados atividades complementares necessárias para a integralização dos cursos;
  • motivar o raciocínio crítico via análise textual;
  • contribuir com a competição no âmbito intelectual.

O Desafio Escrito ocorre em rodadas de quinze dias. A cada rodada, os desafiantes escrevem um texto relacionado a um tema proposto. Público e autores então decidem o vencedor, postando comentários no tópico de votação. Aquele que tiver mais votos então propõe o tema da rodada seguinte.

Regulamento completo:

1) O Desafio Escrito funciona de forma simples. Todos os interessados (alunos do ensino médio, subsequente ou superior, professores, técnico-administrativos ou pessoas sem vínculo com o IFC) podem participar.

2) O projeto objetiva, entre outras, estimular a criação de obras literárias, assim como o desenvolvimento da criatividade.

3) Nos dias 1 e 16 de cada mês, um dos participantes escolhe um tema. O tema pode ser formado por uma palavra ou conjunto de palavras, que define a linha que os participantes devem seguir. (exemplos: “morte”, “família”, “história de terror”, “o que me faz chorar”, “minhas férias”, “dia do livro”, ou qualquer coisa nesse estilo, atentando para não ser um tema muito “castrador”, como “história sobre a primeira guerra, pelo ponto de vista do soldado”).

4) a. Todos os participantes (inclusive o que definiu o tema) têm até 10 dias para escrever um conto, crônica ou poesia a respeito do tema e postarem no blog (professor.luzerna.ifc.edu.br/desafioescrito, através do e-mail desafioescrito@luzerna.ifc.edu.br), ou seja, para rodadas que iniciam no dia 1, serão aceitos até o dia 10; e para rodadas que iniciam no dia 16, serão aceitos até o dia 26. O tamanho do texto é livre, tendo como limite apenas o espaço que o blog aceitar para um único post. Todos os textos devem obrigatoriamente ter um título, além de data de criação e nome do autor.

4) b. São válidos textos de autoria do participante (caso tenha a participação de outro autor em parceria, isto deve ser avisado, e pede-se que seja pedida permissão aos autores), inéditos ou não, desde que seja informada a data (pelo menos aproximada) em que o texto foi escrito, caso ele não tenha sido criado especificamente para a participação neste projeto.

4) c. Sugere-se que não se leia nenhum texto postado por outros participantes antes de escrever seu próprio texto para o tema da rodada, para que a leitura não influencie a sua criação.

5) Todos os interessados terão até 5 dias para ler todos os textos e votar no seu texto preferido, ou seja, para rodadas que iniciam no dia 1,terão do dia 10 até o dia 15 para votar; e para rodadas que iniciam no dia 16, terão do dia 26 até o último dia do mês para votar. Não é permitido votar em um texto de sua própria autoria. Os leitores não participantes do Desafio também têm o mesmo prazo para votar no seu texto preferido.

6) O texto mais votado, no final da rodada será considerado o vencedor.

7) Em caso de empate no número de votos, o desempate se dá pelos seguintes critérios, em ordem de importância:

  1. Texto que recebeu mais votos dos autores participantes;
  2. Texto que foi postado primeiro.

8) Nos dias 1 ou 16, o autor do texto vencedor define novo tema para a próxima rodada.

 

 

Este projeto é baseado em outro que o professor Antônio João Fidélis participou, o Duelo de Escritores, organizado por Fábio Ricardo, o qual autorizou a colocação deste em prática.

| Regulamento